Pular para o conteúdo principal

Neu Fontes comenta o sucesso de Rasgadinho.

Graças à falta de patrocínio e da grande produção da Mercinha Barreto figura que acredito e gosto muito, o Rasgadinho esse ano provou que não precisamos necessariamente trazer artistas nacionais com altos custos para ter sucesso numa festa tradicional como é o Rasgadinho. Vejo centenas de Sergipanos todos os dias participando dançando e cantando ao som dos nossos artistas sergipanos. Mais baratos mais com muita qualidade que sempre teve. Orquestra Geração do Frevo, Arimatéia e Orquestra, Los Guaranis, Carla Isabela, Tempo de Frevo, Sassaricando, Grupo Cajuína, Geração do Frevo, Rogério, Medeiros, Geração do Frevo e bandinhas de frevo, Água de Cheiro, Valtinho da Big Banda, Naureia, Lateiros Curupira, Rita Frevo, Banda Indomada. O nosso povo como todos os outros gostam do que conhece e do que houve, então, tá na hora de tocar mais musica de Sergipe nas nossas rádios e valorizar mais a nossa arte e a nossa cultura. E os nossos artistas procurarem se profissionalizar cada dia mais a sua arte. Parabéns Mercinha! Por: Irineu (Neu) Fontes. Neu Fontes é Cantor e formado em Jornalismo e Publicidade.
Authentic Blog, featured by BlogUpp

As Mais Lidas do Mês

Relacionamento a dois, porque é tão difícil?

Tente juntar dois mundos diferentes, cada um com seus princípios, seus valores já construídos durante anos, seus modos e maneiras de ver a vida completamente opostos. Então, acha fácil conciliar isso? As relações atuais são frutos de sonhos empurrados nas mentes, buscando o idealismo de perfeições que não existem. Vive-se a sonhar com a pessoa perfeita, encantada, a pessoa mágica. Engano que custa caro nos envolvimentos. Primeiro é preciso saber que as pessoas mudaram, não veem mais a relação conjugal como antes viam. Criou-se uma facilidade para sair do casamento que é imensamente superior a existente para se entrar nele. Hoje é mais fácil separar-se que casar. Frutos de mágoas vividas, assuntos mal resolvidos e traumas, as pessoas querem cada vez encontrar no outro, mais do podem dar a ele. Outro engano que também custará caro num envolvimento futuro. Não há erro único, falha única numa relação a dois. Um erro conduzirá sempre a outro e ambos começam a errar, fatalmente a falta de c…

A cor do preconceito no Brasil.

Durante a minha época de estudante sempre ouvia as professoras falando sobre preconceito e discriminação. Comentavam o assunto com um tom grave na voz, tom de discordância, de revolta. Atribuam aquelas atitudes sempre a todas as nações, obviamente nunca se referiam ao Brasil. "Ainda bem que não somos uma Nação preconceituosa, discriminatória", diziam. Eu, logicamente como todo aluno, cegava na opinião das professoras, ainda não possuía a minha própria e se alguém que eu admirava me oferecia uma, eu aceitava como certa. Os tempos passaram, muitas professoras se foram, outras perderam a linha de julgamento e perderam o senso de opinião, a idade lhes chegou. Aprendi a remoer coisas, observá-las, tirar minhas próprias conclusões. Me arrependi profundamente! Antes continuasse como cego, iludido pelas opiniões alheias, antes bebesse do otimismo e das tentativas de ocultar o mundo real, oferecido pelas professoras. Percebi que eu não sou uma pessoa, eu sou uma cor. Nem chego a ser…

Homofobia, a regressão humana.

Direitos humanos. Palavra linda de se pronunciar, mas finda ficando só na teoria, porque na prática funciona bem diferente. Segundo a Constituição todos, friso, todos nós temos direito a liberdade de expressão, direito de ir e vir, direitos á escolha de credo. Ufa, hajam direitos! Sim, hajam dirito, todos aqueles que desrespeitam os direitos humanos, porque estes não são verdadeiramente humanos direitos. São a espúria, a corja social. Um câncer que evolui dentro da sociedade e que nos arremete ao idealismo da raça Ariana! Ora, se nós podemos escolher o que vamos comer, o que vamos vestir, o que vamos dizer e até pensar, porque os outros não? Não é só um ou dois casos de homossexuais agredidos pelo mundo afora, mas são vários. A situação chega a fugir do controle das autoridades que assistem seres humanos serem vítimas das mais covardes agressões físicas e morais. Já não bastasse o bullying nas escolas, na internet e nas ruas, agora são palavrões, chutes, pontapés, facadas, pauladas...…