Pular para o conteúdo principal

Opinião - Linha investigativa.

Como autodidata e pesquisador, venho ao longo dos anos pesquisando os mais variados assuntos, alguns tão maravilhosos que me fizeram aprofundar a linha de pesquisa e permnecer nele por um período superior aos demais. Investigação foi um destes assuntos. Como se descobre a tão bem oculta verdade de alguns casos? Obviamente que aqui não pretendo ser técnico, não sou profissional, apenas pesquisador, darei alguns tópicos apenas daquilo que colhi nas pesquisas. Não é raro o fato de escritores gostarem do assunto investigação, Agatha Cristhie fazia-o muitíssimo bem, "brincando" de construir álibis e destruí-los com a inteligência investigativa fenomenal dos seus personagens. Vamos partir do início: FATO e ARGUMENTO, onde fato é a verdade e argumento é o álibi. Ora, temos o velho e popular jargão "Contra fatos não existem agumentos". E é verdade, não há como negar a verdade fatídica.Vamos então substiutir os termos FATO e usemos o termo VERDADE, e em lugar de ARGUMENTO,utilizemos o termo MENTIRA,equivalente a ARGUMENTO ou FALSO TESTEMUNHO.Mas devemos lembrar que tanto a verdade, quanto a mentira,tornam-se FATOS numa linha investigativa. A diferença é que neste caso a verdade é o fato, a ação que prova o delito, o mentira é o arguemtnto, a ação, que visa ocultar a verdade deste delito. Por si só, a existência da mentira já caracteriza razão suficiente para o disparo da ação investigativa, constituindo a certeza de que há necessidade de apuração e descoberta da verdade dos fatos.Mas, saiamos desta questão toda e vamos a duas partes básicas do nosso dia-a-dia, aquelas que confundem muita gente: Mentir e Omitir. Há uma diferença entre estes dois termos, lógico, Omitir é OCULTAR a verdade, Mentir é CRIAR, INVENTAR uma "verdade". Obviamente, tanto no caso quanto no outro, fica comprovado a existência de algo que precisa ser encoberto. Numa linha investigativa, tanto a mentira quanto a omissão são elementos de reforço da suspeita. Neste caso investiga-se a razão da mentira ou da omissão. A omissão é caracterizada geralmente pelo silêncio, pela fuga do diálogo e em algumas vezes pelo comportamento rico em nervosismo e inquietação, gestos desencontrados e palavras evasivas. Diferente do omisso, o mentiroso é audaz, ousado e seguro. Possui desculpas perfeitas como explicação e álibis em muitos casos muito convincentes. A ação do omisso consiste no recuo, na retirada estratégica, já o mentiroso oferece provas da sua verdade e em muitos casos, desafia a sua descoberta. O omisso, tímido e amedrontado, o mentiroso, inteligente e audacioso, seguro de si. A razão do omisso é o temor de ser descoberto,a razão do mentiroso é se fazer acreditar. Diante disso, traçamos o perfil do mentiroso e do omisso. Os mentirosos são estrategistas, maquiavélicos, capazes de criarem planos de defesa, antes mesmo de cometerem a ação. Possuem uma mente criativa, engenhosa e de raciocínio rápido. São capazes de criar estórias quase perfeitas e de convencer a muitos sobre sua "inocência". Lembrando aquele velho jargão da investigativa: "Não existe crime perfeito". Onde se caminha, deixa-se rastros e quando estes rastros somem, surge a prova a existência de um delito. As rapozas velhas do setor de investigação sempre partem do parâmetro de que quando um álibi é semelhante ao perfeito, ele transforma-se em indício de suspeita para abrir a linha de investigação. Quando há um crime e não há indício encontrado é porque não foi devidamente investigado , sempre há indícios, ainda que haja a maquiagem da cena, da situação, dos fatos. Geralmente quando isto ocorre, o mentiroso dá um nó na cabeça de quem investiga. O perfil do omisso é um caráter nervoso, agitado, tenso. Quem omite destesta diálogo sobre o assunto omitido. Sempre dá um jeito de fugir do confronto. Todo omisso quando investigado ofereçe provas de sua ação que não consegue ocultar. Em geral os omissos não reagem bem á pressão, por isso fogem do diálogo, principalmente se ele tende a investigá-lo. O omisso é o mentiroso que não sabe mentir. É inseguro, deixa rastros em todos os solos, não tem criatividade e audácia própria dos que mentem por convicção. Poderia fazer uma comparação grosseira entre o omisso e o mentiroso dizendo que pessoas omissas são como banana madura presa na mão, se apertar muito... Já os mentirosos são como sabonete molhado, quanto mais se aperta mais eles escorregam. A verdade é que tanto para um, quanto para o outro, a descoberta dos fatos é questão de inteligência e dedicação de quem investiga, ambos cometem falhas mesmo quando escondem aquilo que poderia descobrí-los. Um deixa tudo sujo o outro varre demais. A maior falha de ambos é subestimar a capacidade de arguição do investigador porque ambos sentem-se protegidos pela falta de provas, mas constituem enquanto se ocultam, uma série de provas das suas ações. Bem gente, por enquanto é só, grande abraço e até a próxima. Por Tony Casanova - Direitos Autorais e Copyright reservados unicamente ao autor.

As Mais Lidas do Mês

Relacionamento a dois, porque é tão difícil?

Tente juntar dois mundos diferentes, cada um com seus princípios, seus valores já construídos durante anos, seus modos e maneiras de ver a vida completamente opostos. Então, acha fácil conciliar isso? As relações atuais são frutos de sonhos empurrados nas mentes, buscando o idealismo de perfeições que não existem. Vive-se a sonhar com a pessoa perfeita, encantada, a pessoa mágica. Engano que custa caro nos envolvimentos. Primeiro é preciso saber que as pessoas mudaram, não veem mais a relação conjugal como antes viam. Criou-se uma facilidade para sair do casamento que é imensamente superior a existente para se entrar nele. Hoje é mais fácil separar-se que casar. Frutos de mágoas vividas, assuntos mal resolvidos e traumas, as pessoas querem cada vez encontrar no outro, mais do podem dar a ele. Outro engano que também custará caro num envolvimento futuro. Não há erro único, falha única numa relação a dois. Um erro conduzirá sempre a outro e ambos começam a errar, fatalmente a falta de c…

A cor do preconceito no Brasil.

Durante a minha época de estudante sempre ouvia as professoras falando sobre preconceito e discriminação. Comentavam o assunto com um tom grave na voz, tom de discordância, de revolta. Atribuam aquelas atitudes sempre a todas as nações, obviamente nunca se referiam ao Brasil. "Ainda bem que não somos uma Nação preconceituosa, discriminatória", diziam. Eu, logicamente como todo aluno, cegava na opinião das professoras, ainda não possuía a minha própria e se alguém que eu admirava me oferecia uma, eu aceitava como certa. Os tempos passaram, muitas professoras se foram, outras perderam a linha de julgamento e perderam o senso de opinião, a idade lhes chegou. Aprendi a remoer coisas, observá-las, tirar minhas próprias conclusões. Me arrependi profundamente! Antes continuasse como cego, iludido pelas opiniões alheias, antes bebesse do otimismo e das tentativas de ocultar o mundo real, oferecido pelas professoras. Percebi que eu não sou uma pessoa, eu sou uma cor. Nem chego a ser…

Homofobia, a regressão humana.

Direitos humanos. Palavra linda de se pronunciar, mas finda ficando só na teoria, porque na prática funciona bem diferente. Segundo a Constituição todos, friso, todos nós temos direito a liberdade de expressão, direito de ir e vir, direitos á escolha de credo. Ufa, hajam direitos! Sim, hajam dirito, todos aqueles que desrespeitam os direitos humanos, porque estes não são verdadeiramente humanos direitos. São a espúria, a corja social. Um câncer que evolui dentro da sociedade e que nos arremete ao idealismo da raça Ariana! Ora, se nós podemos escolher o que vamos comer, o que vamos vestir, o que vamos dizer e até pensar, porque os outros não? Não é só um ou dois casos de homossexuais agredidos pelo mundo afora, mas são vários. A situação chega a fugir do controle das autoridades que assistem seres humanos serem vítimas das mais covardes agressões físicas e morais. Já não bastasse o bullying nas escolas, na internet e nas ruas, agora são palavrões, chutes, pontapés, facadas, pauladas...…